16 de junho de 2008

VALHA-NOS SANTO ONOFRE

Não sei qual o “nível” alcançado pela “área de projecto” da Escola de Santo Onofre, a que se refere o "Jornal da Caldas - on-line", mas a preocupação com os “…problemas que atormentam a sociedade…”, parece mal equacionada.

Sei que a opinião é a priori polémica, mas acredito, ainda assim, que algum colega, menos preconceituoso, possa reflectir sobre o assunto…

O sentimento de afecto que os animais, particularmente os cães, desencadeiam nas crianças é inquestionável, não sendo por isso difícil mobilizar a “garotada” para um projecto que meta animais, ainda por cima na perspectiva da sua protecção.

Educar esse impulso natural das crianças, parece ser uma boa ideia… mas educar é também burilar, lapidar, disciplinar e enquadrar, não apenas dar expressão daquilo que já é inato nas crianças: o tal afecto pelos cães (e outros bichos).

Ora, nem o canil municipal é uma instituição (a Câmara sim…), nem a sua exclusiva preocupação a do bem-estar dos animais abandonados… (então e a Saúde Pública?).

Ter um código de posturas municipais que diz no seu artigo 56º que “Os cães… errantes ou perdidos, serão levados para o canil da Câmara e, não sendo reclamados no prazo de três dias, serão abatidos pelo Veterinário Municipal.”, sem cuidar das condições que ab initio tal postura exige (no mínimo o bem estar dos animais capturados, já para não falar de mecanismos de adopção), é no mínimo… insuficiente.

Há questões básicas que devem ser garantidas pelo Município (para isso devem ser canalizadas as verbas específicas das taxas que lhe estão associadas e parte do orçamento municipal), o “altruísmo” resultante da “área de projecto” da Escola de Santo Onofre, não pode, nem deve, superar essas lacunas.

Nem a Farmoquil, nem a Merial estão de parabéns, pois parecem ter quebrado essa questão ética primordial: obviar por sua intervenção responsabilidades da Administração Local, mais a mais sem qualquer sustentabilidade.

Deve a Escola promover junto das crianças valores que contrariem (mesmo que apenas a longo prazo) o abandono dos cães ou a adopção dos cachorros capturados; deve, sobretudo, levar os miúdos a compreender as dificuldades no combate a esse abandono e na promoção da adopção…

Agora, que a Escola crie a falsa ideia (ainda por cima nas crianças) que algo foi resolvido apenas porque o “projecto” conseguiu angariar uns quantos medicamentos… isso já me parece, não apenas insuficiente, mas até deseducativo.

(Imagem: “ícone bizantino representando Santo Onofre, datado do século IV”, in Wikipédia)

5 comentários:

Tartaruga disse...

Pelo menos, os alunos tiveram uma atitude activa em tentar solucionar problemas do canil municipal em vez de se ficarem somente por uma crítica destrutiva quanto ao funcionamento do canil, que é um hábito deste país...

Anónimo disse...

Não são as crianças que têm que resolver os problemas do canil, mas sim os municípios que para tal possuem verbas que normalmente são aplicadas em sectores mais visíveis e com maior retorno de votos.
São inúmeros os canis municipais com instalações da idade da pedra. Muitos vets municipais não têm instalações adequadas á tarefa que o seu código de conduta e os seus munícipes os deveriam obrigar.

Anónimo disse...

vão levar na bufa...seus incompetentes

Anónimo disse...

O último "incógnito" é muito inteligente e de educação apurada.Pelos termos empregues, pertence a um grupo que todos nós conhecemos.

tartaruga disse...

É obvio que as crianças não solucionam os problemas, daí ter referido "tentar". Mas esse tipo de projectos pode ajudar a dar mais atenção aos problemas dos canis municipais e, principalmente, envergonhar os grandes responsáveis pelas fracas condições dos canis que é um problema nacional, julgo... De qualquer modo, continuo a achar que o projecto é interessante e, talvez, acorde os tais responsáveis para melhorar esse serviço municipal.